Tango

¡Buenos días!

Se ustedes já ouviram aquela música do Raul Seixas e perguntaram quem raios é Carlos Gardel, seus problemas acabaram.

Comecei a ver a história do Tango, mas tem muita coisa obscura... Não achei vídeos de ritmos de que ele vem, como o candombe e a milonga. Só achei a Carmen, de Bizet, como sendo influenciada pela Habanera, um estilo que também marcou o Tango. Em 2005 fui a Bariloche e vi uma apresentação de Tango e outra de coisa parecida. A outra dança me lembrou gaúchos, por causa das roupas... E faz sentido. Rio Grande do Sul, Uruguai e um naco da Argentina é pampa, tudo povo gaúcho.

Se o Flamenco exige um violão e um espanhol rouco, para o Tango temos um bandoneón e um argentino borracho. Ou deprimido. Ou os dois. Pode-se usar um piano, violino, contrabaixo, violão e até mesmo um argentino sóbrio. Parece que o Tango surge com os argentinos infelizes com o trabalho, procurando redenção nos cabarets. Por isso o caráter melancólico, sexual, brusco e imprevisível da música e da dança.

O ícone do Tango é Carlos Gardel. Ele era tão popstar quanto a Carmem Miranda. Aliás, as gravações e o jeitão de falar da época até lembram a Carmem. Ninguém sabe se ele é uruguaio ou francês. Ele viajava, gravava filmes e ficou rico difundindo o Tango mundo afora. Morreu no topo da carreira num desastre de avião. Há um filme sobre um sósia dele que o conhece, troca de lugar com ele por uns dias, por diversão, e acaba morrendo em seu lugar, enquanto que o original aproveita uma vida anônima. Dele temos Mi Buenos Aires Querido, Tomo Y Obligo, Por Una Cabeza (famosa!) e Bandoneon Arrabalero

O Paco de Lucía revolucionou o Flamenco. No Tango temos Astor Piazzolla. E como todo inovador, foi criticado pelos puristas. O Nuevo Tango, assim como o Novo Flamenco, tem bastante influência do Jazz. Se você ouviu algum Tango na vida, é quase certo que fosse dele. Libertango e Adiós Noniño são bastante tocadas. Assim como Vivaldi, fez suas Cuatro Estaciones Porteñas: Primavera, Verano, Otoño e Invierno Porteño, que fecha a obra com uma mudança de humor espetacular. Outras: Balada Para Un Loco e Violentango. Vale a pena arriscar músicas desconhecidas dele.

Outro nome que conheci esses dias é Juan D’Arienzo. Tem um jeitão bem clássico. E os vídeos são engraçados por causa dos bandeonistas da orquestra. Outro clássico é o Roberto Goyeneche, o "Polaco", cujo jeito borracho de cantar parece vir de duas garrafas de tinto pra cima. Os noveleiros vão lembrar da abertura da A Favorita, um Tango Eletrônico do Bajofondo. Outro pessoal que curte remixar Tangos são os franceses do Gotan Project.

No mais, é isso aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...